Newsletter Indique
ÁREA DO CLIENTE

Login:

Senha:

Esqueci a senha
Utilitários

STF suspende cobrança do diferencial de alíquota do ICMS


A cobrança do diferencial de alíquota do ICMS nas vendas para consumidor final fora de SC pelas empresas optantes pelo Simples Nacional fica suspensa, esta suspensão tem validade até o julgamento final da ação.

 

Portanto, até que seja julgada esta ação,  não precisa mais recolher os valores ref.ao ICMS diferencial de alíquotas nas vendas para pessoas físicas ou empresas sem IE fora de SC pelos optantes pelo Simples Nacional.

 

Abaixo a integra desta matéria.

 

LIMINAR SUSPENDE CLÁUSULA DE CONVÊNIO DO CONFAZ QUE OBRIGA EMPRESAS DO SIMPLES NACIONAL A RECOLHER O DIFA NAS OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES QUE DESTINEM BENS E SERVIÇOS A CONSUMIDOR FINAL NÃO CONTRIBUINTE DO ICMS, LOCALIZADO EM OUTRA UNIDADE FEDERADA

 

O ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal, concedeu liminar para suspender a eficácia de cláusula do Convênio ICMS nº 93/2015, do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), que dispõe sobre os procedimentos a serem observados nas operações e prestações que destinem bens e serviços a consumidor final não contribuinte do ICMS, localizado em outra unidade federada. A medida cautelar, a ser referendada pelo Plenário do STF, foi deferida na Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 5464, ajuizada pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

Na decisão (leia a íntegra), o ministro afirma que, em exame preliminar, a cláusula nona do convênio invade campo de lei complementar e apresenta risco de prejuízos, sobretudo para os contribuintes do Simples Nacional, que podem perder competitividade e cessar suas atividades.

 

ADI

 

Segundo a OAB, a aplicação da cláusula nona do convênio gerou um impacto imediato para os contribuintes optantes do Simples Nacional por não observar o princípio constitucional de dispensar tratamento diferenciado às micro e pequenas empresas (artigos 170 e 179 da Constituição). A entidade sustenta ainda que o Confaz regulou matéria que não poderia, "tanto por ausência de previsão em lei complementar, quanto pela carência de qualquer interpretação autorizada da Constituição", violando princípios constitucionais como os da legalidade (artigos 5º e 146), da capacidade contributiva (artigo 145) e da isonomia tributária e não confisco (artigo 150).

A entidade alega ainda que a eventual alteração da tributação do ICMS dos optantes do Simples depende de prévia mudança da Lei Complementar nº 123/2006. Logo, não poderia ter sido veiculada por convênio do Confaz.

 

Decisão

 

Ao decidir, o ministro Dias Toffoli assinalou que, diante de documentos acrescidos aos autos pela OAB e do fato de a cláusula nona estar em vigor desde 1º/1/2016, decidiu, em caráter excepcional, examinar monocraticamente o pedido de cautelar sem a audiência dos órgãos ou autoridades cabíveis (Confaz, Advocacia-Geral da União e Ministério Público Federal).

"A cláusula nona do Convênio ICMS nº 93/2015, a pretexto de regulamentar as normas introduzidas pela Emenda Constitucional nº 87/2015, ao determinar a aplicação das disposições do convênio aos contribuintes optantes pelo Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e pelas Empresas de Pequeno Porte (Simples Nacional), instituído pela Lei Complementar nº 123/2006, acabou por invadir campo próprio de lei complementar, incorrendo em patente vício de inconstitucionalidade", afirmou.

 

ADI 5469

 

O relator observou ainda que o Convênio ICMS nº 93/2015 como um todo é objeto de questionamento na ADI 5469, ajuizada pela Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (Abcomm), e também de sua relatoria.

Segundo a Abcomm, o convênio é ato normativo inadequado para tratar de fato gerador específico (as operações envolvendo consumidor final não contribuinte do ICMS e localizado em outra unidade da federação), pois a matéria cabe à lei complementar (artigo 146 da Constituição).

 

Entre outros pontos, a associação a Lei Complementar nº 87/1996, que trata do ICMS, não dispõe sobre a base de cálculo aplicada ao consumidor final da forma descrita no Convênio ICMS nº 93/2015, que criou quatro bases para estas operações - uma para aplicação da alíquota interestadual, outra diferencial de alíquota partilha para o estado de origem, a terceira diferencial de alíquota partilha para o estado de destino e a quarta destinada ao Fundo de Amparo à Pobreza (FECOP). E aponta "a superficialidade com a qual o tema foi tratado, ferindo por completo qualquer segurança jurídica".

 

A ADI 5469 pede a concessão de medida cautelar para suspender a eficácia dos dispositivos questionados até o julgamento do mérito. A Abcomm acena para o risco que o convênio representa para a manutenção da ordem econômica e financeira, "tendo por fim principal a busca da segurança jurídica do sistema tributário nacional".

 

Fonte: Notícias do STF.

« Voltar

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

5 RAZÕES PARA VOCÊ SAIR DA INFORMALIDADE E SE TORNAR UM MEI...

A INTERVENÇÃO DO FISCO NA ENTREGA DE DECLARAÇÕES...

NOVO GOLPE DO FGTS ALCANÇA MAIS DE 70 MIL PESSOAS NO WHATSAPP EM ...

ADIANTAR A DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA PODE GERAR VANTAGENS...

DOENÇAS QUE DÃO DIREITO A DESCONTO NA COMPRA DE VEÍCULO 0KM...

RECEITA FEDERAL DEVE SER INFORMADA DE TRANSAÇÕES EM DINHEIRO(ESPÉ...

SIMPLES 2018: SALÃO DE BELEZA...

VEJA O QUE MUDA NO SIMPLES NACIONAL EM 2018...

A PARTIR DE JANEIRO/2018 O SALÁRIO-MÍNIMO SERÁ DE R$ 954,00 MENSA...

RECEITA NOTIFICA AUTÔNOMOS POR SUSPEITA DE SONEGAÇÃO...