Newsletter Indique
ÁREA DO CLIENTE

Login:

Senha:

Esqueci a senha
Novo área do cliente

RETENÇÃO DE INSS NO MEI


Pessoa Jurídica tomando serviços de uma MEI com atividade de pedreiro, eletricista, encanador e pintor, deve fazer a retenção de 11% de INSS, quais as atividades do MEI que devemos efetuar a retenção?

Informamos que mediante cessão de mão-de-obra, o MEI só poderá prestar os serviços de hidráulica, eletricidade, pintura, alvenaria, carpintaria e de manutenção ou reparo de veículos, demais serviços poderão ser prestados por empreitada.

Cessão de mão-de-obra é a colocação à disposição da empresa contratante, em suas dependências ou nas de terceiros, de trabalhadores que realizem serviços contínuos.

Dependências de terceiros - são aquelas indicadas pela empresa contratante, que não sejam as suas próprias e que não pertençam à empresa prestadora dos serviços.

Serviços contínuos - são aqueles que constituem necessidade permanente da contratante, que se repetem periódica ou sistematicamente, ligados ou não à sua atividade-fim, ainda que sua execução seja realizada de maneira intermitente ou por diferentes trabalhadores.

Colocação à disposição da empresa contratante - entende-se a cessão do trabalhador, em caráter não eventual, respeitados os limites do contrato.

Empreitada é a execução, contratualmente estabelecida, de tarefa, de obra ou de serviço, por preço ajustado, com ou sem fornecimento de material ou uso de equipamentos, que podem ou não ser utilizados, realizada nas dependências da empresa contratante, nas de terceiros ou nas da empresa contratada, tendo como objeto um resultado pretendido.

Até 16/09/2009 o MEI que prestava serviços sofria a retenção de 11%. Com a edição da Resolução n.º 67 CGSN, o MEI não mais está sujeito a retenção (11%), devido a revogação do inciso II do § 6.º do artigo 6.º da Resolução 58/2009 CGSN.

Contudo, quando o MEI prestar serviços mediante cessão de mão-de-obra, na forma da lei, ou mediante empreitada, a empresa contratante deverá, com relação a esta contratação, recolher a Contribuição Previdenciária Patronal (CPP) – 20% sobre a remuneração paga ao MEI, bem como informá-lo em GFIP.

Em SEFIP deverá este MEI ser informado com a categoria 13 e no campo de múltiplos vínculos informar que o mesmo já contribui com o teto do salário de contribuição para que a alíquota de 11%(onze por cento) não seja calculada.

Base legal: Lei Complementar 123/2006 e Resolução 58/2009 CGSN Comitê Gestor do Simples Nacional.

« Voltar

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

EMPRESAS QUE AINDA NÃO DETALHAM OS TRIBUTOS NA NOTA FISCAL PODERÃ...

7 CASOS QUE DISPENSAM PAGAR IR PELO LUCRO COM VENDA DE IMÓVEIS...

DISPENSADA A CERTIDÃO NEGATIVA DE DÉBITO PARA FECHAMENTO DE EMPRE...

ALERTA SOBRE CADASTRO DE OPERAÇÕES NA COAF...

Lei que traz benefícios aos motoboys está parada há três meses...

ESTABILIDADE PROVISÓRIA DA GESTANTE...

GOVERNO CRIA REDE DE PROTEÇÃO A MICRO E PEQUENAS EMPRESAS...

“SAÍDA” DO SIMPLES PODE TER MUDANÇA...

Novas cartilhas orientam empreendedores...

Governo eleva a R$788,06 projeção do salário mínimo para 2015...